Acontecimentos em Diário

1982.04.04 – Domingo com Filme que Gera Comentários

É impressionante como há pessoas que estão acima dos acontecimentos (de certos acontecimentos) que qualquer um de nós (os ditos normais) somos de sobremaneira sensíveis. O caso verificou-se agora mesmo durante o filme que estou seguindo aos domingos à noite, na RTP1, “Uma cidade chamada Alice”. É um filme impressionante. Acho que a minha atitude perante este filme é em grande parte devido à atitude da personagem feminina desta série, cujo nome real desconheço (por enquanto!) mas que tenciono vir a descobrir. Na série representa a personagem Miss Jean Paget, que como pessoa é absolutamente incrível. Gosto muito da sua conduta. Acho que gostaria de alguma maneira experimentar uma conduta deste tipo, mas principalmente gostaria de conhecer alguém como ela. Ela é completamente fascinante! Numa das cenas da parte desta semana, em que ela está em uma pequena cidade do interior da Austrália, onde foi procurar o seu conhecido, do tempo da guerra, Joe Harmon; a cena que queria referir é aquela onde depois de arranjar quarto numa pequena estalagem, na cidade onde o tal Joe Harmon trabalha, encontra a dona que tem uma criada bastante nova, de 16 anos. Era a esta parte que eu queria chegar, quando ela Jean Paget, chega uma ocasião ao seu quarto e encontra lá a criada de 16 anos, que já conhecia, doutras ocasiões da sua estadia, mas que lhe segredou ter umas certas indisposições, enjoo durante a manhã. Aí no quarto, ela disse-lhe que estava grávida e perguntou-lhe se sabia como se faz para se desfazer dum bebé! Ela, pareceu-me bastante superior e disse que não. Deu-me a impressão que estava colocada num outro plano, plano este muito superior ao da criada. É realmente espantoso como tal é possível. E penso isto porque se tal acontecesse comigo, o caso de ter engravidado uma rapariga daquelas de 16 anos, num sítio daqueles, essa “coisa” servia talvez para mim como um motivo de regozijo perante tal acontecimento. Para ela, Jean Paget, tal facto é uma coisa que não tem razão de ser. Estou a lembrar-me agora da preparação da equipa sueca para o mundial de 1938, em França, e a tal equipa treinou como vi na televisão, com muito empenho. É muito difícil expor tudo o que me vai nesta cabeça, mas uma coisa é certa, gostaria de ser mais objectivo nas minhas metas e nos meios para as atingir.

Mas que confusão!

Em certas ocasiões, dói-me a cabeça e nessas alturas penso que pouco falta para atingir a loucura. Roça a loucura.

Creio que terei futuramente de ser mais objectivo, em qualquer altura e em qualquer situação. Para tudo é necessária a resolução que espantosamente me falta e que tanto jeito me fazia. Acho acima de tudo, tal como a equipa sueca do Mundial, é necessária a disciplina. De agora em diante tudo farei para alcançar essa tal disciplina. A auto-disciplina é possível com um superior esforço para tal. Inclusivamente até na alimentação. Ultimamente tem se dado o caso de durante todos os dias da semana, nada há de excessos alimentares, principalmente no álcool. Chegando ao sábado (fim de semana) temos que durante o almoço, com a presença habitual do Sr. Renato, há duas garrafas de vinho na mesa. Fico com a cabeça já pesada. A meio da tarde, ao lanche, geralmente lá vai mais uma cerveja, e à noite ao jantar costuma  ser colocada na mesa para mim e para o Fernando, uma garrafa de litro de cerveja. Então aí bebe-se novamente e em grande. Em seguida é a noitada em frente à televisão. No domingo de manhã, há geralmente uma descontração dando uns pontapés na bola, organizando assim uns jogos de futebol. É o que vale, e só isso vem remediar um pouco a situação. Durante o almoço de domingo, a bebida é atacada e o álcool corre que é coisa desconforme. Depois com as “tardes culturais”, em casa, nós vamos discutindo, falando, bebendo e observando a televisão. Durante toda a tarde, ou seja durante todo o fim de tarde, chegámos a deitar abaixo 2 a 3 litros de cerveja. Acho que está sendo álcool a mais e estou notando bastante na disposição. Acho que isto resulta da extrema ociosidade, extrema monotonia que está a ser a minha vida aqui e agora. Tenho que proceder a umas reformas, para que não venha mais tarde a arrepender. Acho que vou pensar mais a sério na disciplina. Por agora é tudo! Cheio de sono que estou, vou mas é dormir e até uma próxima vez!

Imagem

Mais um treino na Bouça em 1982.03.07!

Imagem

…e depois em casa, domingo à tarde, a curtir com os amigos!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s